quinta-feira, 29 de junho de 2017

Poema de inverno

Foto reprodução: Google



Fogo, paixão, amor, raiva, ódio, sexo, revolução...
Fogueira, lareira, terror...

Leite quente, sopa, achocolatado.
Língua queimada, coração quente, claridade...
Coberta, edredom, caridade, ira, inferno.

Tantas palavras, sensações e ações para representar o calor do fogo.
Para esquentar esse meu friorento e trêmulo corpo, essa minha gélida alma de poeta errante e apaixonado...

Mas de que adiantaria essas palavras, se não mantiver perto de mim a minha maior fonte de calor? Você!

Imagine eu e você deitados na sala do amor, sendo esquentados pela lareira do tesão?
E aí topa vir me esquentar? Esquentar de vez essa minha alma de poeta que se faz tão necessário por um amor, um beijo e um corpo tão caloroso como esse teu?

Nenhum comentário:

Postar um comentário