Mostrando postagens com marcador Poemas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Poemas. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 27 de julho de 2017

O mistério está no ar


Imagem reprodução: Google

E como um sinal de fumaça ela apareceu;
Daquele jeito misterioso me encantou;

E me tentando a descobrir seus mais profundos desejos e fantasias;
Disseminou no ar um cheiro forte e tão conhecido por mim...
Aquele cheiro gostoso de amor.

E, fica sempre aquele gostinho de quero mais.
Mas, como uma fumaça de chaminé ela se dissipa.

Embora aquele cheiro de mistério ainda esteja impregnado no ar. 
Como um perfume o cheiro vai embora, mas a lembrança fica.

E novamente o mistério reaparece cada vez mais forte, quem me dera ao menos uma vez brincarmos de detetive para eu enfim poder solucionar este mistério que me faz perder a cabeça.

Queria tanto ser seu Sherlock Holmes, descobrir o que há de tão magnético e magnífico em ti que me fez ficar imóvel, apenas apreciando sua beleza rara.

A magia do amor está no mistério ou o mistério é a magia do amor em si? Confesso que não sei, mas queria eu um dia gritar aos quatro cantos do mundo... "Elementar meu caro Watson, o mistério está resolvido!!!" E enfim vivermos felizes para sempre.

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Aventuras em quarteto

Imagem reprodução: Google

Andei com os mais variados tipos de pessoas;
Já realizei vários percalços;
Desde condados, até acampamentos ou escolas.

Já perdi muitos amigos queridos,
Já sofri perdas irreparáveis;

Já fui atrás de algo que poderia causar a destruição de meus inimigos.
Já destruí objeto malignos e amaldiçoados;
Já confiei em quem não poderia;

Já desconfiei de muitos outros,
e descobri o erro da desconfiança.

fui Bruxo, já fui Semi-deus e já fui um Hobbit de condado;
Eis o que sou...
Um aventureiro com seu livro a ler...

Poema de inverno

Foto reprodução: Google



Fogo, paixão, amor, raiva, ódio, sexo, revolução...
Fogueira, lareira, terror...

Leite quente, sopa, achocolatado.
Língua queimada, coração quente, claridade...
Coberta, edredom, caridade, ira, inferno.

Tantas palavras, sensações e ações para representar o calor do fogo.
Para esquentar esse meu friorento e trêmulo corpo, essa minha gélida alma de poeta errante e apaixonado...

Mas de que adiantaria essas palavras, se não mantiver perto de mim a minha maior fonte de calor? Você!

Imagine eu e você deitados na sala do amor, sendo esquentados pela lareira do tesão?
E aí topa vir me esquentar? Esquentar de vez essa minha alma de poeta que se faz tão necessário por um amor, um beijo e um corpo tão caloroso como esse teu?

A dor da vingança

Foto reprodução: Google (Doce Vingança)

Não......................
_____________________________________________________
Ouve-se o grito por toda sala, de repente...
Silencio absoluto, pergunto-me onde estou e quem sou eu, ou melhor seria perguntar o que sou eu?
Qual minha idade? 18, 20 ou talvez 200 anos?
De qual povo eu faço parte?
Seria o mais perfeito animal racional?
Vejo somente uma pessoa, não, não seria uma pessoa qualquer, ou não chegaria a ser uma pessoa...
_____________________________________________________
Finalmente acordaste, ó parvo Humano....

Mas quem seria esta criatura que me dá um medo angustiante?
Seria a morte?? Ou um de seus anjos??
_____________________________________________________
Quem é você? A morte? Ou apenas um sonho delirante?...

Mal sabia eu, que se fosse um sonho tudo o que estava passando, estaria tendo um pesadelo.
_____________________________________________________
Me ajude, pelos Deuses, Eu te Imploro, me solte...
Ela então falou sinistramente....
Cala-te homem imundo, não me interrompas, eu sou a Vingança de suas vitimas.... Aquelas que sempre desprezaste...
Oh agora lembro meu nome e minha idade, mas, Oh não, clemência, isso não...
Era o que tuas Vítimas pediam, mas tu não tinha o minimo de compaixão, porque então eu teria de ti?...
_____________________________________________________
E começou a me torturar das mais horripilantes maneiras, com fogo, ferro quente, chibatadas e etc e tal
_____________________________________________________
Pelos Deuses, não me tortures mais, eu prefiro a morte....
Vou te fazer lembrar teu apelido e a razão dele, afinal não é o que desejas? Saber quem és tu? Eu estive perto durante toda sua "nobre" vida, nos gritos desesperados de seus devedores, que agora clamam pela justiça de seus feitos horripilantes e covardes, que tanto tu gabavas diante outros de sua espécie....
Me mate logo, pelos Deuses...
Impossível, pois tu já esta morto ó fraco homem....
Não......................
_____________________________________________________
Ouve-se o grito por toda sala...

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Carta para um (quase) amor!

Imagem reprodução: Google
Hoje, escrevo essa carta, pensando em todos os momentos que poderíamos ter tido juntos. Não tivemos e olha que eu insisti muito. Mas você não quis e amar por dois, é suicídio.
Meu querido quase amor, sinto muito pelas noites que não tivemos juntos, pelas histórias de trabalhos que nunca contamos um para o outro, pela série que nuca pudemos assistir juntinhos.
Meu querido quase amor, sinto muito por você não querer dividir sua história comigo, por você não me deixar fazer aquele cappuccino num dia frio para você, por não me deixar curar suas dores depois do futebol.
Eu realmente sinto muito por não poder preparar aquele pudim que você tanto gostava, por não poder te acompanhar nos almoços de domingo da sua família, por não levar o cachorro para passear ou por não ter sua companhia pra comer pipoca na praça num sábado à noite.
Meu querido quase amor, eu sinto por você sentir tão pouco e não se permitir entrar numa relação, que poderia ter sido maravilhosa. Eu sinto muito por seu coração estar fechado para outra pessoa entrar.
Eu sinto por você preferir noites e noites com mulheres diferentes e nunca um “Bom dia, meu amor” no domingo de manhã. Eu sinto muito mesmo por você não me deixar fazer parte da sua vida. Mas a escolha foi sua.
Agora, o que me resta, é seguir em frente e encontrar alguém que queira tudo o que você jogou fora.
Essa carta nunca irá chegar nas suas mãos, mas eu torço para que você fique bem.
Com carinho, do seu quase amor!




Jussara Souza, 23 anos, 
graduanda em jornalismo pela 
Universidade Federal de Juiz de Fora, 
Vice presidente, Diretora de Protocolo e 
Diretora de Imagem pública na empresa 

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Por amores que nunca se vão!

Imagem reprodução: Google

Ontem, relembrando algumas histórias, revivendo alguns momentos, me peguei pensando em quantas vezes eu já "gostei" de alguém. É engraçado pensar nisso (pelo menos, pra mim foi).

Eu nunca fui muito romântica e nem sou de ficar declarando sentimentos aos quatro ventos. Mas me peguei pensando: quantas palavras não ditas eram palavras de amor?

Eu acredito que amores se acabam, mas também acredito naqueles amores que surgem do nada e te marcam pra sempre, pois nunca se vão.

Não se vão porque o sentimento era puro, era único, era verdadeiro. Não se vão, talvez por egoísmo nosso, que não queremos parar de sentir aquele frio na barriga. Não se vão porque não é pra acabar.

Contamos tantos segredos para aquele amor, segredos que deixaram de ser apenas nossos, dividimos tantas coisas, morremos de ciúmes, rimos até a barriga doer, choramos com finais de séries. Como não nos apegarmos a essas memórias? Como simplesmente deixamos isso acabar?

Não dá!

Eu aprendi que não nascemos sabendo amar, aprendemos. E a prática sempre leva a perfeição. Conheço tantas pessoas que depois que terminaram um relacionamento disseram "nunca mais vou me apaixonar". 
Não se torne menos amável após um desamor. O mundo precisa de gente disposta a amar. 

Então, se você já "gostou" de alguém e ainda bate um friozinho na barriga quando pensa nessa pessoa, deixa estar. Foi bom aquele amor que chegou, entrou, sentou, ficou pra um café e não foi embora quando o assunto acabou e nem quando a rotina resolveu aparecer e tomar conta.
Esse tipo de amor é daqueles que se tornaram uma memória boa e um delicioso sentimento.
Hoje, te dedico uma linda história confessa - Nem a maldade do tempo consegue me afastar de você!

Foto reprodução: Cedida pela autora




Jussara Souza, 22 anos, 
graduanda em jornalismo pela 
Universidade Federal de Juiz de Fora, 
Vice presidente, Diretora de Protocolo e 
Diretora de Imagem pública na empresa 

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Poematizando: Hoje é dia da caça

Imagem reprodução: Site HuffPost

Não tem salário, saúde, emprego, transporte de qualidade, segurança, educação, ou dignidade... Mas poxa, vamos fazer um mapa rápido dos nossos bandidos de estimação.

Em São Gonçalo: Panisset e Mulin a qualquer momento podem ser presos. Em Niterói: Rodrigo Neves também. Em Itaboraí: Eles mermo se matam na foiçada.

E no Rio? Ta tudo lindo! ❤❤

Bolsonaro visivelmente vai morrer do coração (vide seu filho no debate). Pedro Paulo não conseguiu porra nenhuma. Não vira nem síndico de lugar nenhum. Osório e Índio não tem aldeia. Cesar Maia tá no sapatinho esperando seus crimes prescreverem pra vagabundo não caguetar ele também... Crivela, não sobrevive dois anos (meu palpite pro bolão). Pezão e seu vice, Dornelles, só se mantém vivos graças ao pacto do PMDB com o capeta, que logo, logo levará essas almas. Ps. O PSDB não existe no Rio e o PT também não, ou seja, duas das três maiores fábricas de marginais do país não têm condições de nos foder.

Continuando... Garotinho tá no hospital sob custódia, pode morrer ou ir pra Bangu (ou as duas possibilidades), o que representa uma vitória para todo norte do Estado! Cabral, nosso querido Cabral! Esse merece uma atenção maior, o fabricante da UPP que matou centenas de nossos irmãos. Que matou o Amarildo, DG, Eduardo... Cabral, esse playboy psicopata encerra sua carreira política da melhor forma possível, PRESO! Ao lado de Cunha são cadáveres da política de nosso Estado. Hoje é dia de cerveja, bandido!!! Mas ainda sobra um, Paes, o bandido Boêmio. Malandro, que de todos é mais 171 e preparado pra nos foder. Menino zoador, que sacaneou Marica: "Aí Presidente....", menino da narina nervosa, famoso por dar a louca nas festinhas na Barra... Esse é o rei no tabuleiro do PMDB-RJ. Esse é o bandido que eu odeio de mais! Esse é o que tá com o cu na nesse momento. É o que vai morrer do coração se alguma criança malvada tocar sua campainha as 6h da manhã, dizendo: "PERDEU PLAYBOY!" (Risos)

A conclusão é a seguinte, estamos fodidos? Estamos. Mas o sorriso tá estampado na cara, parceiro! (Risos)

Hoje é dia da caça!!!!
Foto reprodução: Arquivo

Paulo Henrique Lima - 
Mais conhecido como P.H. Lima, 28 anos, 
fluminense de São Gonçalo, 
MC independente. 

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Poematizando: Deixa ir

Foto reprodução: Facebook

Em uma das várias conversas com minha mãe, ela me disse que é necessário desapegar daquilo que não nos serve mais. Confesso que desapegar não é uma coisa fácil pra mim (e acho que pra grande maioria da população mundial também não).

Quantas vezes nos apegamos a sentimentos antigos? Quantas vezes nos apegamos a roupas, sapatos que não iremos usar mais? Quantas vezes nos apegamos a pessoas que não compartilham do mesmo sentimento que nós? Quantas vezes desejamos com um futuro diferente e tentamos de tudo para fugir do presente?

Eu imagino a vida como uma grande caixa de lembranças, onde guardamos de tudo um pouco. Eu imagino que, muitas vezes, nós não mexemos nessa caixa e ela continua enchendo, com tudo que guardamos dentro dela. Aquela camisa de futebol que foi do seu avô, aquele primeiro 10 na escola, aquela primeira vitória na faculdade, aquele primeiro beijo na pessoa amada. Acontece, que fomos guardando tanta coisa, que um dia não cabia mais nada naquela caixa. O que devemos fazer então? Jogar tudo fora? Limpar a caixa para colocar outras coisas dentro? Não! Nenhuma medida drástica é necessária.

Temos apenas que desapegar de algumas coisas. Deixe ir embora aquela boneca que você nunca mais brincou depois que descobriu o facebook, desapegar daquela calça jeans que não te serve mais. Ela vai servir pra alguém. Desapega daquele amor que não foi correspondido. Deixa ir!

Para que possamos ser livres de verdade, temos que deixar ir sentimentos, emoções, objetos. Deixa ir o que te prende, o que te mantém cativo. Deixa ir aquele conflito, aquela angústia, aquela mágoa. Não digo que tenhamos que procurar o que fazer para sempre fugir da dor. Digo que temos que viver o agora e colocar naquela caixa de lembranças momentos novos, objetos novos, sentimentos novos. O passado já serviu para o que era necessário. Então, desapega dele também. Vamos nos permitir viver coisas novas. É hora de fazer uma limpa na nossa caixa de lembranças. Depois disso, feche a tampa e se permita viver experiências novas. Podemos nos surpreender com elas! // deixa ir o que não serve mais.

Foto reprodução: Cedida pela autora

Jussara Souza, 22 anos, 
graduanda em jornalismo pela 
Universidade Federal de Juiz de Fora, 
Vice presidente, Diretora de Protocolo e 
Diretora de Imagem pública na empresa 

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Poematizando: Vaga de Cupido

Precisa-se com urgência de novo cupido, 
que não seja cego ou bêbado.
 Um cupido que não se apegue facilmente,
Porém, que não me odeie também.
Procura-se um cupido,
Porque os últimos... 
Ou eram cegos, ou bêbados ou possessivos, ou me odiavam mesmo.
Enfim procura-se um cupido.

Achas que tem o que é preciso? 

Poematizando: Cabeça de poeta e coração de errante

Imagem reprodução: Google


Muito prazer esse sou eu, dois séculos, e uma vida de poeta errante que sempre perde na luta contra uma paixão desenfreada e enganosa.

Minhas paixões são limitadas, mas nunca delimitadas.
Meu coração não pertence a uma poesia de liberdade apenas.
Meus pensamentos ultrajantes e fantasiosos que fazem minha cabeça errante de poeta com alma apaixonante, e meu coração errante á procura de um alguém que o preencha ilimitadamente, sofre a cada espetada da flecha de um maldito semideus que ousa destruir minha alma de escritor das mais belas e doloridas verdades.
Muito prazer há dois seculos, minha nada nobre e pecaminosa existência vem para preencher de sangue e lagrimas as flechas envenenadas de amor platônico, do maldito cupido, que na sua ânsia de se ver livre de mim, não mede esforços e muito menos escrúpulos em me ver sofrer de amor. Mas, como filho de Zeus, representado por Ganimedes, o homem da água que pôde se tornar imortal... Eu nunca desistirei da minha felicidade e desse meu amor imortal pela LIBERDADE. E como essa água que nunca acaba e sempre se renova, eu voltarei, ainda mais forte e errante do que nunca.

Victor Hugo Cavalcante, 22 anos é jornalista e dono do blog Folkcomunicação 
e atualmente é prestador de serviços comunitários á empresa Rotaract Clube de Ouroeste

Fascinado por eventos culturais, por Internet e Mídias independentes... Ama a arte pelo conteúdo e o que dizem em determinados momentos, poeta, contista e jornalista de mão cheia.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Poematizando: Preto e Azul ou Branco e Dourado?

Imagem reprodução: Google 

Não importa se o vestido é Preto e Azul, tampouco Branco e Dourado.
Por mim poderia ser até Branco e Preto... 
         Não me importa.
O que me importa é ter você que está vestida.
Toda nua para mim,
         Prestes a me amar. 
       Prestes a me enlouquecer,
com esse corpo todo gostoso teu... 
Quero tanto te ter...
    Quero tanto Me ter em seu corpo,
           me encontrar em seus braços. 
        Te amar...
Te fazer gozar.
Não me importa a cor de seu vestido,
Seja Branco e Azul ou Preto e Dourado!!!

Foto reprodução: Arquivo
Victor Hugo Cavalcante é jornalista, 
metido a escritor, tem 22 anos, 
e é o responsável principal 
pelo blog Jornal Folkcomunicação 

Suicídio: Fraqueza ou Tolice?


Imagem reprodução: Google

Nenhum homem é fraco por desistir da vida.
E sim forte e tolo, explico: 
Tolo por pensar que não há dificuldade além da vida.
Forte (E tolo também) por pensar que os seus não sofrerão, ou nem pensar neles. 
Tolo por não pensar que: Se ele é forte o bastante para mutilar/golpear a si próprio, seria ainda mais forte para encarar todas suas dificuldades momentâneas e dar um novo significado á vida. 
Tolo e forte por pensar que a vida acaba para todo o sempre, assim fazendo com que suas dificuldades acabem também... Porém se até os mais elevados espíritos tem sua parcela de dificuldade... Porque a gente que leva uma vida tão desgraçada e humana não poderia passar por dificuldades de vez em quando? 
Enfim... Você não é fraco por pensar em cometer suicídio. Mas, é tolo o bastante por pensar que não é forte o bastante pra recomeçar e fazer um novo fim.

Foto reprodução: Arquivo
Victor Hugo Cavalcante é jornalista, 
metido a escritor, tem 22 anos, 
e é o responsável principal 
pelo blog Jornal Folkcomunicação 

Poematizando: Entre na roda do Cibersamba

Imagem reprodução: Google

Muito prazer meu bem, entre na roda desse meu samba...
              Entre nessa roda cibernética meu bem!! 
 Não se desconecte-se dessa rodinha, meu irmão,
                 Offline aqui nessa não têm vez!!!
          Esse Cibersamba é meu, é seu e de mais quem conectar,
                 Não desista, meu bem;
                            Essa roda não pode parar,
                                 Estamos de portas abertas pra todos, meu bem;
                                      Minas e Manos, velhos e crianças...
                                              Entre nessa roda meu irmão,
                                                             Não saia daqui não;
                                           A roda da felicidade, é essa a nossa,
                                               Entre e se apaixone, por essa eterna roda cibermusical; 
                   Entre na roda do Cibersamba,
                   Permita-me acompanhar nessa incrível dança cibernética!!!



Victor Hugo Cavalcante é jornalista, 
metido a escritor, tem 22 anos, 
e é o responsável principal 
pelo blog Jornal Folkcomunicação